terça-feira, 16 de março de 2010

O DESAFIO DE EDUCAR HOJE

         
 Não é fácil a tarefa de instruir nossos filhos, convenientemente, numa época de tão grandes mudanças como a nossa. Há cinquenta anos atrás, tínhamos condições de estabilidade completamente diferente da que temos hoje. Nestes dias, é um tanto complicado prevermos o mundo que terão nossos filhos, daqui a dez ou vinte anos. As mudanças estão sendo vertiginasamente aceleradas.
Vivemos a época das comunicações em tempo real, da informática permeando todas as atividades humanas, do real e concreto sendo substituido pelo virtual, do descartável no lugar do permanente, surgindo daí problemas inimagináveis a toda hora. Temos hoje, quase incontroláveis, o aumento da temperatura do planeta, o desequilíbrio ecológico, os desafios da poluição, os desajustes decorrentes da globalização, a penetração das drogas em todas as camadas sociais, o recrudescimento da violência, a realimentação constante da criminalidade, como prenúncio já dos últimos tempos - IITm.3.1-5.
Como aparelharmos nossos filhos, de modo que eles possam trazer boa contribuição a este mundo, servindo fielmente a Deus e ao próximo, amando o que deve ser amado e refutando o que deve ser refutado? "Educar é preparar o ser humano para servir, VIVER E CONVIVER de maneira digna, sempre em harmonia com Deus e as leis impressas por Ele na natureza ". Em outras palavras, saber viver e conviver de maneira harmônica e saudável, no ambiente em que estamos inseridos.
Toda criança, ao nascer traz consigo, geneticamente, um pacote de possibilidades físicas, intelectuais, morais e espirituais; a educação tem, por finalidade, conduzir a criança na abertura desse pacote, de modo que dele nada seja desperdiçado. "ENSINA (honeq) a criança NO CAMINHO EM QUE DEVE ANDAR (al-pî-darkô) e, ainda quando for velho, não se desviará dele " - Pv.22.6.
A definição que acima apresentamos da educação está vazada em consonância com a habitual pedagogia; mas, quando analizamos o evangelho e dele extraimos a educação cristã, com base nos ensinos de Jesus, vemos que o desafio se torna ainda mais sério. Não se exige - na educação convencional - que se caminhe a segunda milha, se necessário, com alguém que nos pede que com ele caminhemos a primeira. Não há a necessidade de entregar também a blusa, para alguém que queira tomar nosso casaco - Mt.5.40-41. No ensino tradicional, não é necessário oferecer a outra face para quem bate em nosso rosto, nem mesmo nos incomodar se o inimigo tem fome ou sede; mas, na educação cristã se ensina: "Se o teu inimigo tem fome, dá-lhe de comer; se tem sede, dá-lhe de beber; fazendo isso, estarás amontoando brasas vivas sobre a cabeça dele " - Mt.5.39, Rm.12.20.
Esses postulados do evangelho, aparentemente radicais, não condizentes com o balizamento comum de educação, ainda que nos pareçam estranhos, não são pesados para aqueles que vivem sob o poder dinâmico do Espírito Santo - Rm.8.1-2, IICo.3.17. O prazer que se tem em andar por esse caminho, como filho de um Reino que não é deste mundo, faz com que esse "fardo" se torne agradável e, sumamente desejável - Mt.11.28-30. Toda e qualquer norma de vida, que não estiver subjetivamente no coração, será sempre desconfortável e tornar-se-á uma imposição. Portanto, educar é transmitir PRINCÍPIOS da verdade absoluta para o coração. Louvado seja, para sempre, o nosso Deus!

Um comentário: