quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

AÇÕES DE GRAÇA

 Um ano mais de vida
Guardou-vos o Senhor.E deu-vos fiel guarida
No seu divino amor.De coração, dai graças
      Ao vosso eterno Pai,
       Pois mais um ano passa,
      A Deus mil graças dai!

REFLEXÃO:
O que adianta terminar o ano com festa espiritual de Natal -  expressão de gratidão,
e iniciar o Novo Ano com "réveillon", carnaval, realimentando dessa forma a depravação?..



O CARNAVAL


Festa sem Deus. Repúdio de moral.
Festa de encanto e gozo irracional.
Festa de esquecimento do passado,
De térreo paraíso do caminho largo,
De início doce, mas de fim amargo...
Falsa resposta à voz do coração
De quem não flue de Deus a comunhão.
Festa de todos: de plebeus e nobres;
Festa pagã, de Cristo a negação,
Do dia do Senhor, profanação.


Ressurreição das velhas bacanais
Das torpes lupercais, das saturnais,
Festa de baile de vinho crepitoso
Que morde como ofídio venenoso,
Que tira do homem sério o nobre porte,
Que gera o vício, o crime e gera a morte.
De Vênus tem o culto sedutor,
Que tudo sacrifica em seu fulgor,
Por confundir licença e liberdade
Nos aconchegos da promiscuidade;
Que deixa livre a carne no seu pasto:
O sensualismo aberto mais nefasto.


Festa que volve às danças do passado,
Ao fetichismo pagão desenfreado,
Loucura coletiva, histeria transitória
Que deixa do prazer lembrança inglória.
Festa de trégua do pudor humano
Festa empolgante de prazer insano,
De embriaguez do gozo sem medida,
Onde a pura inocência é seduzida.


Onde o perfume esconde as podridões,
No descontrole louco das paixões,
Onde a esposa honesta perde o siso
E o cavalheiro austero o são juízo,
Onde formosas damas pelas ruas
Exibem, saltitando, as formas suas.
E no "passo" louco e banboleante,
Em convulsão ruidosa e degradante,
Ouvem-se, no "frevo" lascivo, os ditados
Picantes de homens quase alucinados,
De "foliões" audazes, perigosos,
Alguns embriagados furiosos.


Tirando a máscara, muitos, nesses dias,
Revelam através da alegria,
A vida que levaram mascarados,
Com a máscara de homens recatados...
Carnaval! Perigoso carnaval...
Que grande festa e que tremendo mal!
Brasil gigante, toma bem cuidado!
O carnaval é a festa do pecado!
Inspira em Deus, Brasil, a tua sorte
Pois o pecado só trás dor e gera morte.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

TRÊS GRANDES MALES NO BRASIL:



Os três grandes males no Brasil são: política, futebol e carnaval. Não que o mal esteja nessas coisas; mas, a forma como nós as usamos e a mentalidade que desenvolvemos, são extremamente medíocres. Certamente estaremos num caminho inconveniente, quando fazemos do esporte (como o futebol) e de um divertimento (como o carnaval), coisas essenciais para a nação, com o fito de afogar nossas ineficiências e frustrações em áreas muito mais vitais para as nossas realizações. Sempre que precisamos de divertimento a todo custo, para estarmos bem, é porque não somos felizes. Não é no campo de futebol, ou na passarela do carnaval que vamos obter o conteúdo de vida que precisamos e as realizações que farão de nós um grande país. Haja vista que os Estados Unidos, o Canadá, são países que têm história semelhante a nossa e que, em condições muito mais adversas, desfavoráveis, contam com um progresso muito maior que o nosso. A falta de perspectiva na mente do brasileiro e até de inspiração, o tem feito enchafurdar na mistificação de que somos o país do futebol e do carnaval e que, por esse motivo, somos o povo mais feliz do mundo. Enquanto isso, os políticos renomados aproveitam dessa mediocridade e, com artifícios propagandistas e leis de autobenefício, se perenizam no poder, mesmo com a mais desbragada inificiência administrativa. Este é o país mais abençoado, com superfície de 8.500.000 quilômetros quadrados produtivos, sem vulcanismo, sem terremotos, sem regiões desérticas, sem os transtornos da neve, sem tornados extremamente destruidores, sem temperaturas extremadas, sem radicalismos raciais ou fanatizantes, a não ser a obsessão do futebol e do carnaval, perfeitamente contornáveis. Este é o país mais fácil de se administrar do mundo e deveria ser a maior potência, indiscutivelmente. Todavia somos, também, o mais mau administrado; com gerenciamento oligárquico de uns poucos privilegiados, um grande percentual da população vivendo em  favelas nas cidades, "reforma agrária" sem planejamento, agricultura e pecuária elitizada, penitenciárias superlotadas e sem o propósito de objetivar a reconstituição da vida dos delinquentes, tráfico de drogas por toda parte, contrabando e pirataria pervadindo todos os seguimentos da sociedade; dessa forma, não chegamos a lugar algum. Isso tudo faz com que tenhamos esse grande contraste: como pode essa nação ser pobre (terceiro mundo) num país tão abençoado? Como se explica que o Japão, em tão pouco espaço, quase destruído com a guerra, seja hoje uma das grandes potências mundiais, com sobra de dinheiro? Somos nós, brasileiros menos inteligentes? Não; falta-nos uma radical mudança em nossa mente, para enxergarmos (com sabedoria) as perspectivas do que deva ser uma grande nação.  Oxalá, isso venha sem demora! E que o Deus Criador seja, de fato, o Deus do povo brasileiro!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

UMA PALAVRA DE GRATIDÃO

Quero, nesta altura de nossa caminhada neste BLOG, estar colocando aqui uma palavra de gratidão ao filho Magnes, que muito tem me ajudado na apresentação desse trabalho. A verdade é que a idéia de criar esse veículo de comunicação foi dele, foi ele que deu forma estrutural e quem tem feito o rearranjo dos artigos, a disposição deles, a cor das letras e a escolha das figuras ilustrativas. O meu trabalho é escolher os assuntos, escrever as mensagens, colocá-las no computador (mesmo que desalinhadas) e, então, ele vai e faz o acabamento, da forma como - você que nos acompanha - tem visto o nosso trabalho. Os filhos são a continuação da nossa vida e é muito bom vê-los, mais eficientes do que nós mesmos temos sido. Louvado seja Deus, por essas vidas que sustentam as nossas mãos no trabalho - Ex.17.12.

MUDA O MEU CORAÇÃO



Muda o meu coração, realiza neste instante
o divino milagre, o sublime transplante,
arranca do meu peito onde a maldade medra
e onde o pecado habita - o coração de pedra
e planta um coração que só o amor encarne,
um novo coração - um coração de carne.
     Muda o meu coração - e que nem sombra ou tédio
     possam prejudicar o divino remédio
     que fixa em nosso corpo o novo caração...
     Afasta do meu ser o mal da rejeição,
     que o novo coração que me hás de dar resista,
     seja tudo de mim na luta e na conquista.
Muda o meu coração no milagre da fé
como um dia mudaste o de Pedro, o de André,
o de Bartolomeu, o de Paulo, o de João.
Fixa dentro de mim um novo coração
que só te saiba amar e ao próximo também
e que só tenha paz no caminho do bem!
     Queima o meu coração cheio de fantasias
     como queimaste um dia os lábios de Isaias,
     tira de novo, ó Mestre, a brasa com tenaz
     e põe dentro de mim um coração de paz
     onde possas morar para sempre, Senhor,
     num abrigo de fé, numa casa de amor.
Arranca o coração que envenena meu peito
com dúvida cruel e triste preconceito -
e põe um coração com tuas próprias mãos
que a todos possa ver como amados irmãos -
que ele seja bondoso, amável, tolerante,
na mudança eficaz do divino transplante.
     Muda o meu coração - transforma-o enquanto é cedo
     e que o novo jamais sofra de angústia ou medo...
     Hoje espontaneamente e humildemente venho
     suplicar-te: modifica o coração que tenho.
     Não poderei viver sem essa operação:
     Oh! Divino Pastor, muda o meu coração.

(Gióia Júnior)
"E vos darei um coração novo e porei dentro de vós
um espírito novo; tirarei o coração de pedra  e vos
darei um coração de carne" - Ez.36.26.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

MEDITAÇÃO:



1. GRATIDÃO:
    " Hoje, as pessoas pensam tanto em receber, ganhar, conseguir algo, que são incapazes de celebrar uma bênção, exaltando aquele que é o grande doador".

2. FÉ E GRAÇA:
    "A fé move o homem na direção de Deus; a graça move Deus na direção do homem". (Pr. Marcelo Gomes)

3. CURADOS E TRANSFORMADOS:
    "Desejamos ser curados fisicamente; mas, dificilmente, somos empenhados em ser transformados espiritualmente".

4. AMOR:
    "O mundo não entende nada de Teologia; mas entende de amor e simpatia". (Moody)

5. ADORAÇÃO:
    É falta de fé precisar de imagens para adorar a Deus. Porque, a fé verdadeira nos leva a romper com todas as barreiras materiais, palpáveis, indo de encontro ao invisível. "Deus é espírito (invisível); e importa   que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade" - Jo.4.24. "A fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não vemos"- Hb. 11.1

ENTENDIMENTO E SABEDORIA:



"Há entre vocês alguém que é sábio e inteligente? Pois então que prove isso pelo seu bom comportamento e pela sua maneira de agir, com humildade e sabedoria. Mas, se vocês têm inveja, amargura e egoismo nos seus corações, então não mintam, gabando-se de serem sábios. Essa espécie de sabedoria não vem do céu;  mas é deste mundo, é animalesca e diabólica. Porque, onde houver inveja e egoismo, haverá também confusão e toda espécie de caisas más. A sabedoria que vem do alto é antes de tudo pura; e é também pacífica, bondosa e amigável. Ela é cheia de misericórdia, produz bons frutos e está livre de preconceitos e fingimento. Pois a justiça é a colheita produzida pelas sementes que foram plantadas por aqueles que trabalham em favor da paz" - Tg.3.13-18.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O VERBO SE FEZ CARNE


Esta é uma expressão do evangelho - Jo.1.14. Lacônica, sintética, mas de alto significado. Jesus é a segunda pessoa da triunidade de Deus, com a função de revelar, manifestar e comunicar ao mundo os propósitos do Senhor Deus. No momento da criação de todas as coisas, lá estava ele acompanhando tudo e agindo naquilo em que lhe competia, de modo que nada foi feito sem ele - Jo.1.1-3,10. No tempo do Antigo Testamento, muitas foram as manifestações de Jesus, comunicando-se com os homens por voz audível, apresendando-se como se fosse um anjo (nas chamadas teofanias), um ente iluminado e cheio de resplendor, porque ele é o Verbo, cuja função é tornar concretamente visível o Deus que, de outra forma, seria totalmente invisível. Então,na velha despensação, ele fez-se anjo, fez-se ente cheio de luz; mas, no Novo Testamento ele fez-se carne, isto é, tomou a forma humana, veio tabernacular conosco. Deus habita entre os querubins e assim sua presença era representado na arca-do-concerto, no tabernáculo. Do alto da montanha Sinai ele se transferiu para o meio do seu povo - Ex.40.33-35, por meio de figuras representativas. Agora não; numa humilde estrebaria, ele se coloca na posição do homem, do menos favorecido, para alcançar a todos. O importante no Natal não é comemorar o aniversário de Cristo; mas, por sua vinda-vida-morte e ressurreição, temos a implantação do Reino de Deus no mundo e o fato de que, nele, em Cristo, participamos desse reino e retornamos a ser filhos de Deus - Jo.1.12-13. É essa a nossa alegria. Louvado seja o nosso querido Deus!Com esta palavra, queremos abençoar todos os nossos companheiros, seguidores deste BLOG, desejando-lhes as mais ricas bênçãos neste NATAL e fim de ano, bem assim aos familiares e pessoas do seu relacionamento. "Alegrai-vos sempre no Senhor".

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

DE DEUS NÃO SE ZOMBA - Gl.6.7



1. Ellis Regina, a famosa cantora de música popular brasileira, no dia em que morreu, chegou ao prédio de seu apartamento e disse ao porteiro: "Subo para o apartamento e desejo estar só. Não quero ser molestada por ninguém. Não deixe que alguém suba para meu apartamento, nem mesmo Deus. Estou muito cansada e vou descansar". Foi quando, chegando em sua casa, ingeriu elevada dose de psicotrópico e veio a falecer.
2. Tancredo Neves, na ocasião de entrar para a campanha presidencial, disse que se tivesse 500 votos favoráveis de seu partido (PDS), nem Deus o tiraria da presidência da república. Os votos ele conseguiu; mas, com enfermidade quase inesplicável, veio a falecer no dia anterior ao de sua posse.
3. John Lennon, um dos componentes do conjunto "Beatles", no auge da fama, afirmou: "O cristianismo vai se encolher, vai se acabar, vai desaparecer. Eu não preciso discutir sobre isso. Eu estou certo, Jesus era legal, mas seus ensinos são muito simples. Hoje, nós somos mais populares que Jesus Cristo (1966)". Posteriormente a essas afirmações, foi atingido por cinco tiros disparados por um dos seus "fãs" que veio tirar-lhe a vida.
4. Em Campinas, SP, uma turma de amigos, já embriagados, parou o carro em frente a uma casa, para pegar a última pessoa, uma moça, a fim de irem juntos os seus folguedos. A mãe da jovem, vendo sua filha entrando naquele carro (com todos naquela situação), disse-lhe: "Filha, vai com Deus, que Ele te proteja". A filha, escarnecendo, respondeu: "Só se Ele for no porta-mala, porque aqui dentro não cabe mais ninguém". Algumas horas depois veio a notícia: sofreram um acidente, os jovens todos morreram, o carro quase que totalmente destruido, apenas o porta-mala ficou intacto. Segundo a polícia, pela violência da batida, era de admirar que o porta- mala estivesse inteiro. E, ainda mais, dentro dele estava uma bandeja com 18 ovos, todos perfeitos.
5. Bon Scott, da banda AC/DC, em 1979, compôs uma música com a seguinte letra: "Don't stop me, I'm going down all the way, wow the high way to hell" (não me impeça... vou seguir o caminho até o fim, na autoestrada para o inferno). No dia 19 de fevereiro de 1980, Bon Scott foi encontrado morto, asfixiado pelo próprio vômito.
6. A Inglaterra sempre se orgulhou da sua indústria naval. O seu império estava por todos os lados da terra, chegando-se a dizer que o sol não se escondia para o domínio britânico. Com isso, desenvolveu respeitadas técnicas na construção dos grandes transatlânticos.Contudo, três grandes navios de sua fabricação, o Olimpic, o Titanic, o Britanic, sofreram naufrágios inesperados. Depois da catástrofe do Olimpic veio o Titanic, maior, com aprimoramentos sofisticados e, ao término de sua construção, disse o construtor (em tom irônico) ao reporter, que lhe perguntava pela segurança da gigantesca e nova embarcação: "Este, nem Deus conseguirá afundá-lo". Mas, como sabemos, toda essa arrogância foi ao fundo. O Britanic, maior ainda que o Titanic, afundou três vezes mais rápido que este, isto é, em 50 minutos!
Nota: A arca de Noé, feita por um amador que nunca houvera feito esse tipo de trabalho, funcionou perfeitamente.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

CAVEIRÕES E TANQUES DE GUERRA:


É assim que temos buscado a paz neste país! De vez em quando, diante de absurdos acontecimentos causados por marginais em suas incursões de assalto e, policiais em repressão, temos sido sobressaltados por acontecimentos drásticos que nos causam inquietação e pavor frequente. Nesse momento, o povo desesperado sai às ruas, em manifestações, clamando para que haja paz. Enquanto isso, ao invés de se buscar a paz tão anelada e necessária, o Brasil resolve coprar mais de duzentos tanques de guerra, já sucateados na Alemanha. Um grande negócio para a nação germânica, um pesadelo e entrave maior para os brasileiros, que até já se despontaram na fabricação desses fatídicos comboios. Mas,... será que estamos indo na direção certa? Acho até que o Brasil deveria deixar de ter exército, esse gasto exorbitante e buscar um outro caminho que, como inovação, servisse de modelo a outras nações. Todo esse contingente do exército poderia ser apenas  uma polícia-militar, bem treinada e aparelhada, para guarnecer as fronteiras e manter a ordem no país, a disciplina e a segurança. Tal contingente estaria repartido em força aérea, marinha e terra, e ainda federal, estadual e municipal, com oficiais e soldados permanentes e outros temporários. Não participaria de guerras (somente se ameaçados em caso extremo), resolvendo suas divergências, os problemas gerados com outros países, diplomaticamente, por meios pacíficos,o que já se encontra em nossa constituição.O problema nosso não está no exterior, nem nos países fronteiriços, está dentro da nossa própria casa, ou seja, na corrupção, no desmando, no tráfico de drogas, na imoralidade, nas manobras políticas, no descaso com a saúde, na delinquência dos jovens, nas clamorosas injustiças sociais.A Suíça não tem exército, somente polícia, e vive em paz há muitos anos. Não tem espírito beligerante desenvolvido. Se observarmos, quanto mais um país se arma para a guerra, mais desenvolve o espírito aguerrido, deixando de lado o poder da paz e da força moral. A Suíça não participou das guerras mundiais, não obstante tenha ficado no meio do fogo cruzado, visto que os países ao seu redor fizeram parte da conflagração. No meio do conflito, mesmo assim, ninguém teve a coragem de desrrespeitar a neutralidade e, sobretudo,a autoridade moral daquela nação. O pior da arma é dar ao homem (ou nação) a sensação de poder, neutralizando o sabor da força moral, da ética inquestionável. Rui Barbosa, nosso brilhante jurista, defendeu em Haia, na Holanda, "A força do poder em lugar do poder da força" e foi aplaudido de pé. Estava certo ele e é isso que está faltando, no mundo de hoje e, particularmente, no Brasil.Estamos tendo  no país uma corrida armamentista, em que a polícia aprimora suas armas e os marginais procuram estar em superioridade.O evangelho de Jesus está fundamentado em princípio antagônico a isso, dizendo: "Bem-aventurado os pacificadores, porque estes herdarão a terra", ou seja, estes serão os vitoriosos. Foi exatamente nesse evangelho que o nosso Rui forjou a sua tese. A vitória não está no poder da força, mas na força da paz, da dignidade moral. A guerra e a violência de qualquer natureza, são manifestações irracionais dos seres embrutecidos, que não sabem resolver seus problemas de maneira pacífica.As guerras, quando estão para acontecer são facilmente justificáveis; passados 20 ou 30 anos, vê-se claramente a selvageria que foi, os prejuízos contabilizados, os estragos por vezes irreparáveis e a nossa incapacidade em seguir o caminho da paz.  Há sempre pelo menos três modos de resolver um problema: a primeira é a forma animalesca, isto é, própria dos animais; estes procuram resolver seus conflitos por meio de dentadas, bicadas, patadas, coice. Quando agimos de forma semelhante, ficamos parecidos com eles e a guerra é uma demonstração disso. A segunda é a forma humana, quando recorremos a justiça e esta, em sua função, vai ajuizar entre as partes conflitantes. Nem sempre temos a sabedoria divina-humana de Salomão e a justiça puramente humana não é perfeita; mas um bom caminho. A diplomacia sábia, imparcial, com discernimento, pode realizar muito por meio daquilo que chamamos - a vontade de Deus. Em último lugar, temos a maneira divina de resolver uma questão que inclui arrependimento, confissão de pecado, a expiação e o perdão. Esse é o caminho de Deus, eficiente, sobrenatural (ao homem caido) harmonizado com as leis superiores deste universo. "...se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas vivas sobre sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem"- Rm.12.20-21. A vitória não é das armas, muito embora elas façam grande destruição. A guerra no Vietnã, no Iraque, e por último na Palestina demonstraram isso. Portanto, comprar tanques de guerra, aviões de caça e outras parafernalhas dessa natureza, é mais propaganda de um governo ou país, exibicionismo aparente de poder, do que fazer uso da verdadeira sabedoria. Uma nação que se prima pela justiça, cuja força está na sabedoria do seu povo, sempre será respeitada e terá fecundidade suficiente, fé e amor, para continuar em sua caminhada. É isso que precisamos. Assim, Deus nos ajudará.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

PEQUENOS ATOS DE AMOR E GRANDES RESULTADOS


Billy Graham entrou, pela primeira vez, numa igreja e, como não havia lugar (o templo estava cheio), resolveu ir embora. Alguém que estava sentado, quando viu que o visitante ia embora, foi atrás dele e ofereceu-lhe sua cadeira. Então ele ficou e foi nesse dia que se converteu, vindo a ser, sem dúvida, o maior pregador dos últimos tempos. Através desse homem de Deus, milhares de pessoas já se renderam ao Salvador. Louvado seja para sempre o nosso Deus!

Em uma enfermaria de um grande hospital achava-se, já havia algumas semanas, um pobre rapazinho que não sabia o que era ter alguém que se importasse com ele, ou que lhe dirigisse palavras de amor. Não tinha pais nem amigos.Visitava essa enfermaria, uma vez por semana, um senhor que ficou muito impressionado com o ar tristonho do adolescente. Passou então a conversar meigamente com ele, consolando-o e auxiliando-o com seus recursos. Um dia, o jovenzinho, tão impressionado com a bondade daquele homem, perguntou-lhe:"O senhor é Jeus? Já ouvi dizer que Jesus é quem ama os infelizes". Aquele senhor, então, lhe disse: "sou apenas um servo de Jesus e estou, em nome dele, fazendo o que ele faria se aqui estivesse". Como seria bom se todos nós parecéssemos com Jesus!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

GRANDE SALVAÇÃO


A salvação, a justificação, a vida eterna que temos, garantida, segura, nos é dada por aquilo que Cristo foi e fez POR NÓS (na vida, na morte, na ressurreição); porém, os frutos do Espírito, o amor, a alegria, a paz, a longanimidade, a benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio, do processo regenerativo, é obra que Cristo tem feito EM NÓS e isso inclui nossas reações e decisões. O que Cristo fez por nós é perfeito e nada, absolutamente, poderá desfazer essa grande obra - Rm.8.31-39, Jo.10.27-29. Mas, o que depende, também, das nossas reações e decisões nem sempre é tão perfeito; contudo, nossas negligências, ainda que emperrem nossa caminhada, jamais irão  desfazer o que Cristo fez por nós! Quem foi batizado no corpo de Cristo (ICo.12.13) está EM CRISTO, na obediência de Cristo, na morte de Cristo (Rm.6.3-5, Gl.3.27), na ressurreição de Cristo (Cl.3.1-4) e faz parte do CORPO DE CRISTO, jamais será desvinculado desse corpo. Essa Igreja (formada por tais pessoas) é a esposa de Cristo, ele casou-se com ela (Ef.5.29-32), jamais irá se divorciar dela. Os que foram batizados no Espírito de Cristo, mergulhados nesse Espírito, desde o Pentecoste (nascimento da Igreja), formam o seu corpo e esse está presente no mundo em substituição ao corpo que tivera enquanto na carne. Quando falo de batismo, não estou me referindo à cerimônia com água, porque este é representativo, simbólico (os apóstolos, os 120 que estavam em Jerusalém nem foram batizados com água ou na água, porque foram batizados, visivelmente, no corpo de Cristo, com a realidade, o Espírito Santo), me refiro ao batismo real, anunciado por João Batista e pelo Senhor Jesus - Mt.3.11-12, Mc.16.16, At.1.6-8. Por esse batismo somos mergulhados no Espírito de Cristo, passamos a ter fome de fazer a vontade do nosso Pai (como ele - Jo.4.34) e iremos até o final em fidelidade ao Senhor - IITm.4.7-8,16-18, porque não há nada que possa desfazer essa obra em nós. Se é ele quem nos justifica, quem nos condenará?Quem nos separará do amor de Cristo? Veja as possibilidades imaginadas por Paulo: Rm.8.38-39. Paulo fecha o cerco dizendo: nem das alturas (nos céus), nem das profundezas (no inferno), poderá surgir algo que nos separe desse amor. Não se engane com aqueles que já foram batizados diversas vezes, com água na água, mas não o foram com Espírito e com fogo, ou aqueles que são tocados (até diversas vezes) e não transformados, cujos traumas vêm à tono a cada pregação e, retraumatizados, continuam com seus fardos, ainda mais equivocados. Eu falo daqueles que encontraram, de fato, a pérola de quande preço e, evidentemente, venderam tudo, para adquirir essa gema de grande preço - Mt.13.45-46. Por terem vendido tudo, não há mais nada que os fascine sobre esta terra. O reino de Deus é a coisa mais empolgante, mais inebriante, e o que fica para trás é esterco despresível, em relação ao que foi conquistado - Fp.3.12-14, Hb. 12.1-3. Estamos no NOVO CONCERTO ( acerto entre duas partes); os concertos anteriores sempre foram falhos, porque o homem falhava. Agora não; somos, no novo concerto, representados por Cristo e nós estamos "escondidos" nele, ou melhor,  revestidos de Cristo - Gl.3.26-27. Louvado seja o Senhor que, por sua infinita bondade, nos alcansou com tão grande salvação!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

A CRIANÇA E A POSSIBILIDADE DA FÉ SALVADORA - Pv.22.6


O ser humano começa sua existência pela união dos gametas (duas semicélulas), masculino e feminino, formando o zigoto, a primeira célula do novo ser, num encontro de amor. A partir daí, esse novo ser ainda minúsculo, deverá ser agazalhado, afetuosamente, no ventre materno de 36 a 42 semanas, na continuação da mesma atmosfera de amor e carinho dos pais. Assim sendo, essa criança se desenvolverá sentindo sensações agradáveis, benfazejas, como que dando-lhe as boas-vindas no acolhimento do lar. A mulher, principalmente, quando se vê grávida, precisa passar a viver muito em função de seu filho, desde o primeiro momento de sua gestação. É como se essa criança já estivesse em seu colo. A saúde da mãe, seu equilíbrio psicológico, sua vida emocional e funcional, sua fé, tudo enfim será compartilhado com esse novo ser. O egoismo não pode ter lugar, principalmente, na vida de quem deseja ser mãe. O esposo, sempre por perto, vai tomando as providências necessárias e, com afagos e carícias à esposa, vai repondo as energias gastas por ela nesse período. Por esses gestos, é muito importante que o nenê sinta sua aproximação, o timbre de sua voz e as reações do corpo da mulher com as carícias do marido. Devemos observar o que nos ensina a natureza. Os cientistas já descobriram que, entre os passarinhos, dá-se o seguinte: enquanto a fêmea, no ninho, aquece com seu corpo e choca os ovinhos, o macho canta ao derredor nas árvores próximas, transmitindo aos filhotes, num aprendizado pré-natal, características do seu canto. O ser humano tem antenas muito mais sensíveis que os pássaros, é evidente. Assim é que, se uma criança, ainda no ventre, vier assimilar emoções que lhe transmitam rejeição, terá, posteriormente, dificuldade até para avaliar e reconhecer o amor de Deus. Este é transmitido à criança, pela instrumentalidade dos pais. Assim que a criança nasce, abre os olhos para o mundo, passa a ser acolhida no colo fofo e quentinho da mãe, amamentando-se, aconchegada ao coração de sua genitora. É um período de profunda interação entre a mãe e seu filho. Este, por vezes, interrompe as sugadas do seio e volta-se, demoradamente, a olhar para o rosto da mãe, aprendendo a ler nele os detalhes de suas expressões. Essas comunicações sem palavras constituem verdadeiros diálogos. Não se esqueça, mamãe, que a criança lê em você (por meio de suas expressões fisionômicas) sua alegria ou tristeza, sua paz ou inquietação, sua calma ou cólera, sua tranquilidade ou desespero, seu amor ou ódio; nos olhos, na face, nos acenos, nas mãos, nas expressões até mesmo as mais sutis! Nesse período a criança estará avaliando a maneira como está sendo recebida. Se lhe fornecemos amor, carinho, alegria, alimento, aconchego,  suprindo as suas necessidades básicas, ela estará predisposta a confiar e se sentir segura, nas pessoas que promovem seu bem-estar. O compartilhar de todas as coisas boas com o bebê propcia aos pais, também, a oportunidade de transmitir a confiança em Deus e, concomitantemente, a fé salvadora. Porque ninguém está melhor preparado para a bênção da redenção que uma criança - Sl. 8.2, Mt. 18.1-3, Lc. 18.17 (*). Tanto é verdade que Jesus deixa claro: "... se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus". Ele está dizendo que os adultos, os que já endureceram o coração na prática do pecado, se não se tornarem como crianças, humildes, despretenciosas, jamais terão condições de abrigar o reino, no qual não há lugar para o egocentrismo humano. Jesus Cristo está dizendo, também, que a criança tem toda condição para crer nele, desde que não seja escandalizada, pela incredulidade em torno de si. Como ainda não traz a dureza da prática do pecado em seu coração, entregar-se-á facilmente ao Salvador e será acolhida por ele - Mt. 19.13-14. Essa criança, logicamente, não tem recurso para verbalizar (falar,testemunhar) sua fé e, por essa razão, Lutero a chamou de "fé não reflexiva"; porém, essa é a fé salvadora, autêntica, inquestionável. É bom que entendamos: a fé salvadora (sola fides especialis) não é fruto da racionalidade humana, mas da ação do Espírito de Deus. Podemos dizer que, quando uma criança nasce, no seio de uma família cristã, onde de fato há temor de Deus nos corações, ela estará entre duas leis: a lei do pecado e da morte que vem de Adão, e a lei do Espírito da vida em Cristo Jesus - Rm.8.1-2. Nesse ambiente, podemos dizer que o Espírito do Senhor paira (Gn.1.2) constantemente sobre esse lugar e, logicamente, a lei do Epírito da vida sobrepõe-se à lei do pecado e da morte.Leia ICo.7.14 e veja como isso funciona. Isso não quer dizer que será assim, funcionando automaticamente. O agir do Espírito passa pelo coração e inclui a vontade do homem, ainda que esta seja incipiente. Mas, se numa casa tem-se a preponderância do espiritual, da comunhão com Deus, logicamente essa criança irá confiar em seus pais e, de igual modo, no Deus dos seus pais. Assim aconteceu com Samuel que, desde pequenino, apenas desmamado (Sm.1.24 - 5 anos), era já capaz de ouvir Deus falando com ele - Sm.3.11. Jeremias, filho do sacerdote Hilquias, fora designado a ser profeta antes mesmo de ser formado no ventre materno - Jr.1.5. João Batista, filho do sacerdote Zacarias com Isabel, sua esposa, foi cheio do Espírito Santo desde o ventre de sua mãe - Lc.1.15. Timóteo, jovem extremamente comprometido com o reino de Deus, era fruto de um ambiente sadio na fé, pela instrumentalidade de sua vó Lóide e sua mãe Eunice - IITm.1.15. É exatamente isso que Deus quer, quando geramos nossos filhos; que a fé que professamos, em Cristo Jesus, seja repassada aos nossos filhos e aos filhos dos filhos, e toda a nossa posteridade - Dt. 6.1-7. Os filhos são a continuação da nossa vida e, dessa forma, entregamos a eles a bandeira do evangelho que está em nossas mãos e a vida que alimenta o nosso coração - ITm.5.8. Vejam o que Deus falou a respeito de Abraão: "... eu o escolhi para que ordene os seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do Senhor e pratiquem a justiça e o juízo;..." Gn.18.19. E, ainda, o que nos diz pelo nosso texto básico: "Ensina a criança no caminho em que deve andar e, ainda quando for velho, não se desviará dele" - Pv.22.6; isto porque, a salvação de Deus é imperdível - Rm.8.31-39. Louvado seja para sempre o nosso Deus!
(*)" Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira alguma entrará nele".

sábado, 5 de dezembro de 2009

TRANSMISSORES DA JUSTIÇA



"Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente" - Dn.12.3. Temos idéia clara do que é bom para a sociedade, porque está conosco a revelação de Deus. Não devemos esperar que a justiça venha por meio da ação governamental, ou política, porque, no geral, quem cuida disso não tem entendimento dos propósitos elevados daquele que nos criou. Essa justiça tem que vir de Deus ao mundo, através dos que foram escolhidos para tanto - "vós sois a luz do mundo" (Mt.5.14-16).

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

COMO AGE O INIMIGO?



"O inimigo não tem poder para penetrar os nossos pensamentos. Ele não é onisciente. Mas, então, como ele atinge nossos pontos fracos? O problema é que nós lhe damos, por meio daquilo que externamos (e temos a mania de falar, comentar as nossas fraquezas), o código, a senha, dos nossos pontos fracos. A verdade é que nós descodificamos nossas vidas perante ele. Há pessoas que são verdadeiras placas de anúncio das suas fraquezas para o inimigo". (Pe. Leo)  "A raiva nos deixa burros, ignorantes. Começamos a dar respostas curtas, rápidas, sem aprofundamento na razão, porque estamos nervosos. O nervosismo nos deixa burrificados" (Pe. Leo).
Nota: O Pe. Leo faleceu no dia 04.01.2007, acometido de câncer, depois de um trabalho profícuo como sacerdote, tendo sido, também, um dos fundadores do movimento que recebeu o nome de Canção Nova.Tivemos a grata satisfação de conhê-lo pessoalmente, num encontro até casual, num colégio em que fazíamos preleções aos alunos. Era pessoa extremamente cativante. Louvado seja Deus, pelas vidas daqueles que anunciam as boas-novas da salvação!

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

OLHANDO PRA DENTRO


"De nada vale chorarmos os problemas; devemos chorar os nossos pecados; pois, eles são a causa dos nossos problemas". "Devemos, também, parar de acusar outras pessoas de estarem causando problemas a nossa vida e procurar a causa dos problemas em nós mesmos". "As palavras mais difíceis de serem pronuciadas são: eu pequei". "Justificativas, desculpas, evasivas, poderão até serem aceitas, resolvendo uma situação; mas, jamais trarão transformação ao nosso interior". "Um cristão zeloso aproximou-se de um rabino, e lhe perguntou: Sr. rabino, quando é que os judeus se tornarão cristãos? O rabino respondeu: os judeus se tornarão cristãos, quando os cristãos se tornarem cristãos". (Catalogadas) . "O maior empecílho para a evangelização do mundo, hoje, por incrível que apareça, está na Igreja, por não estar sendo o que deveria ser" (John Stott).

TEMPÊRO DA VIDA




Que seria esta vida sem o amor?
Um deserto de espinho e de pobreza,
um caminho sem luz e sem calor,
uma viagem dura, sem beleza.
Que seriam os homens sem o amor?
Criaturas sem paz e sem defesa,
carpiriam sozinhos sua dor
e morreriam cheios de tristeza.
Mas, com amor, a vida é sempre um dia
cheio de luz, de cores e alegria,
cheio de música a soar nos ares.
Se houvesse amor, em todos os lugares,
as faces se abririam num sorriso
e a vida nos seria um paraiso.
         (Thiago R. Rocha)
Ame a Deus sobre todas as coisas, ame o
próximo como ama a si mesmo, ame a natureza
tão bela, tão encantadora, ame tudo que deve
ser amado, ame de fato e de verdade. O amor
é a semente que sempre devemos plantar, ao
longo de nossa caminhada. (Pr.Orlando)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

SEGUNDA-FEIRA



Foi exatamente nesse dia que, desempoando alfarrábios, analisando anotações do passado, lembrou-me rever um velho diário (já um tanto empalidecido pelos anos), para tentar recompor na lembrança momentos idos e vividos.Lá estava, então, uma segunda-feira de anos passados, na vida de um pastor que, à guisa de descanso, sempre optou por uma boa pescaria. Não tanto pela façanha de fisgar algum avantajado tucunaré, ou dorado, como pela oportunidade do contacto com a natureza incólume. Assim é que transcrevemos dessa página do diário, de maneira lírica e metamorfoseada, o que veio a ocorrer nesse faustoso dia.Depois de tudo arrumado, linhas, varas, anzóis, iscas e molinetes, partimos cedo, porém sem pressa, cavalgando a passo lento, conforme o ânimo dos animais. Os companheiros, trazendo cada um o seu repasto a tiracolo, cantarolavam suas inesquecíveis canções.Era uma manhã radiosa! O sol aos poucos se despontava no horizonte e um vento úmido agitava os arbustos, despertando-os do torpor da noite para a celebração do novo dia. O Rio Perdição, de águas cristalinas, já então à vista, serpenteava no vargedo, pachorrento, soberbo, reverberando os primeiros raios solares.Ao longe se ouvia, um tanto abafado, o rumor do agito que vinha de uma fazenda ali por perto: o mugido de bois, o balido de ovelhas, o relincho dos cavalos e o canto espremido de um garnisé. Os latidos persistentes de alguns cães eram, de quando em quando, permeados por assobios e gritos dos boieiros que, por certo, faziam o manejo do gado. Tudo isso se misturava ao perfume no ar, exalado pelas grevílias e hibiscos, contiguamente plantados ao longo da estrada. A brisa fresca da manhã vinha suave ao nosso encontro, como que a nos dar as boas-vindas. Cada novo cenário que descortinávamos, era como se um mundo novo se pusesse a nossa frente. Em tudo havia surpresas inimagináveis, como cenas de um misterioso espetáculo.De repente, a amplidão foi cortada por um estrídulo próximo, altíssono, inesperado. Era um pica-pau do campo (chanchã) assustado que se assomara ao pico de uma árvore ressequida. Mais adiante, pintassilgos e patativas, saindo dos seus dormitórios, punham-se a viajar em bandos, de uma parte para outra. Dos alagados, paturis levantavam-se, espavoridos, em vôos apressados, temendo nossa aproximação.Finalmente, chegamos ao lugar desejado. Abandonamos a estrada e, a duras penas, atingimos a ribanceira do rio e descemos por sua calha, banhada em dias de cheia. Aí, exatamente nesse lugar, o Ribeirão Matoso desemboca humildemente suas águas, minguado tributo oferecido ao soberano regional. Pode se ver então, também aí, na natureza, a lei do mais forte. Este, o Rio Perdição, caudaloso, implacável, suplantador,logo desfaz toda expressão do seu afluente, com a fúria de suas águas torvelinhantes. Chegando-se ao lugar preferido, amarramos os animais à sombra de uma canjarana, desvencilhamo-nos dos apetrechos e tomamos o primeiro gole de café. Logo a seguir, preparamos as linhadas, debaixo de frandosa figueira, absorvendo o ar puro da manhã, refazendo-nos com o cheiro da mata. E assim, sossegadamente, sem muita sofreguidão, iniciamos a pescaria.Tudo parecia festivo ao nosso redor. Admirados e até pasmos, pudemos ver os muitos encantos que natureza nos apresenta: a multiplicidade das formas, a policromia das folhas e flores, o gorjeio peculiar de cada pássaro, o zunzunar das abelhas no seu afã, o zumbido diversificado dos insetos na relva. Tudo isso dava-nos a impressão de uma orquestra magistral, fornecendo-nos um cenário magnífico! O salmista de Israel, observador, sensível, exclamou: "Que variedade, Senhor, nas tuas obras! Todas com sabedoria as fizeste; cheia está a terra das tuas riquezas"- Sl.104.24. O dia foi, celeremente, chegando ao seu termo. As horas passavam quase imperceptíveis. Estávamos refestelando-nos com a visão panorâmica, o espetáculo comovedor que tínhamos diante dos olhos. O movimento contínuo das águas rodopiantes do rio, fornecia-nos o sossego que buscávamos. Era paradisíaco! Esporadicamente, os curimbas vinham à tona e, em cambalhotas e revoluções, presenteavam-nos com suas acrobacias. Contudo, nossa concentração se mantinha nos peixes que biliscavam os anzóis e as mutucas que, de vez em quando, nos atacavam mais que famintas. Não obstante alguns percalços, comuns a programas dessa natureza, tal aventura poderia ser avaliada como: excêntrica, marcante, extremamente salutar para o espírito e revigorante para o corpo. À tardinha, retornamos para nossas casas, cansados, quase extenuados; porém, felizes, recompondo na memória tudo aquilo que havíamos vivenciado. No samburá estavam apenas alguns peixes pequenos; mas, as grandes emoções daquela segunda-feira se tornaram inesquecíveis. Louvado, por tudo, em todo tempo, seja o nosso Deus!
(Com esse conto, tirado da nossa própria experiência cotidiana, participamos, mais uma vez, do concurso "Talentos da Maturidade". Valeu a pena, pelo simples fato de poder retornar às coisas comuns da vida, porém, guardadas indelevelmente no recôndito profundo do coração. )    

SE DEUS É POR NÓS QUEM SERÁ CONTRA NÓS?





Chega a pobreza... é magra, ossos à mostra, riso
de funda zombaria e de maldade atroz
e transforma em inferno o próprio paraíso...
Mas se Deus é por nós, quem será contra nós?
Chega o abandono - a vida é solidão e pó
só dialoga conosco a nossa própria voz.
Como é duro e penoso estar perdido e só.
Mas se Deus é por nós, quem será contra nós?
Chega a batalha... nada há que nos encoraje,
um amigo se quer nos traz sua voz -
a peleja é o abismo, o esquecimento, o ultraje!
Mas se Deus é por nós, quem será contra nós?
Vem a doença ... a moléstia acaba os nossos dias -
é verdugo e carrasco, executor e algoz -
o dia nunca passa e as noites são vazias -
Mas se Deus é por nós, quem será contra nós?
Chega a norte afinal. É longa a travessia
e, irremediavelmente, agora estamos sós...
ah hora escura! Ah hora longa! Ah hora fria!
Mas se Deus é por nós, quem será contra nós?!
(Uma das mais sublimes expressões poéticas do
querido irmão Gióia Júnior, já apresentado neste
nosso Blogger. Ele já passou por todas essas
possibilidades descritas nesse poema; e, vitoriosamente,
está com seu pai e seu Deus-Salvador, nas alturas.)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

AS LOUCURAS DE DEUS



"A loucura de Deus é mais é mais sábia que a sabedoria humana, e a fraqueza de Deus é mais forte que a força do homem" - ICo.1.25.Deus nos tem falado através de acontecimentos e ocorrências que, na nossa avaliação, não são vistas e reconhecidas como voz de Deus. Tais fatos, para nossa análise imperfeita, limitadíssima, são vistos como acontecimentos estranhos e até chocantes, visto que estamos presos aos nossos conceitos e preconceitos, neste mundo do nosso Deus.A Bíblia afirma que Deus nos fala de muitas maneiras - Sl. 19.1-4, Rm. 10.18, Hb. 1.1. O problema nosso é que sempre queremos padronizar, estereotipar (a nosso gosto), o" modus operandi" de Deus; isto é, a maneira que achamos que ele deve agir. Mas, na verdade, ele não depende dos nossos protocolos para agir, nem do aval de ninguém, muito menos dos nossos conselhos para estabelecer os seus desígnios - Rm. 11.34. Deus é espírito livre, auto-suficiente, soberano, desembargado, para agir e reagir de maneira " ultra modum", ou seja, como bem lhe apraz. "Dele, por ele e para ele são todas as coisas"; portanto, "a ele seja a glória para sempre" - Rm. 11.36. Por essa razão, age onde quer, como quer e quando quer, sem ser compulsionado de forma alguma.O homem moderno anda tão arrogante que, até na igreja (onde deveria haver um bom entendimento de quem é Deus), ouvimos pregações em que são recomendadas "orações fortes", com "palavras de comando", determinando, ordenando; porque, segundo se afirma, é dessa forma que Deus irá agir a nosso favor. Pura enganação e "marketing" dos nossos dias.Por isso mesmo, o agir de Deus é por vezes tão estranho, tão fora dos parâmetros humanos, que nos deixa pasmos e perplexos. Justamente (eu creio), para nos dar a entender que ele é Senhor absoluto e Deus supremo. Estabeleceu normas de conduta para todos os seres do mundo; ele, contudo, não se prende a nenhuma dessas normatizações. Por isso mesmo, quem pode lhe servir de conselheiro - Jó 9.12, Rm.11.34.A arrogância do homem advém, em grande parte, do avanço tecnológico dos nossos dias. E, de fato, temos hoje recursos admiráveis! Lembro-me da afirmação de alguns cientistas, que disseram ter nas mãos a possibilidade de produzir um homem (ser humano), do modo que for necessário: com pelos, a semelhança de um urso, para habitar nas regiões polares; dependendo de mais ou menos oxigênio, para morar na terra ou qualquer outro planeta. E disseram: só precisamos de uma palavra de ordem, a fim de que isso seja feito.Esse tipo de orgulho humano sempre existiu; mas, agigantou-se nos últimos tempos, logo após a clonagem da ovelha "dolly". No entanto, quase nessa mesma ocasião, Deus permitiu que, no mesmo cenário da Europa, o mais evoluido, aparecesse a vaca-louca, problema que desafiou a mais avançada ciência. Nós, geralmente, não captamos essas mensagens de Deus. E, o problema, é que elas não se ajustam as nossas decodificações teológicas. Todavia, aquela vaca (embora louca) era mais que um animal transtornado, era uma mensagem tremenda para os nossos dias, mais importantes que as "profecias" de prognosticadores que estam por aí.Pensando bem, isso que constitui pretensão da ciência hoje, Deus já fez no passado, há muitos anos. Nabucodonosor se tornou semelhante a um animal, vindo a crescer pelo em seu corpo, passando a comer capim, vivendo entre os animais do campo - Dn. 4.25. Não era ele o homem mais importante, no mundo naqueles dias? Não orgulhava-se da pompa do seu majestoso reino? Não podemos nos esquecer que Deus abate o soberbo (não o suporta) e dá graça aos humildes -Tg. 4.6.Por que, também, fez a mula de Balaão falar (como se fosse um ser humano - Nm.22.28-30) e não permitiu, que esse mandingueiro contratado, vaticinasse contra Israel? Antes, a contraposto, mesmo sendo homem dessa estirpe (macumbeiro), colocou Deus,em seus lábios , belíssima profecia acerca da estrela que procederia de Jacó - Cristo, conforme Nm. 24.17. Não é, para nós, tudo isso muito estranho? Quem pode programar, determinar o agir de Deus?Não é paradoxal que, do país mais pobre do mundo surgisse um plano tão ambicioso e ardiloso para, naquele dia fatídico, 11 de setembro de 2001, a nação mais poderosa e rica do mundo fosse atingida, exatamente na parte mais nobre do país, as torres gêmeas e o pentágono? Você já percebeu que onde há concentração de orgulho humano é sempre um lugar extremamente perigoso? Por que será que o Senhor permitiu essa catástrofe? O que devemos aprender com isso? Temos olhos para ver o ouvidos para ouvir, então, vejamos e ouçamos a voz de Deus.A cruz não era a coisa mais vil e desprezível na terra? Não era instrumento de suplício e maldição - Gl.3.13? Contudo, Deus a toma para seu Filho e a transforma em símbolo de redenção para a humanidade toda! Deus tem usado as coisas que não são (importantes para os homens) para confundir as que são - ICo. 1.28-29.Os gregos supervalorizavam a filosofia, os judeus os sinais miraculosos; com isso a cruz era escândalo para os judeus e loucura para os gregos - ICo. 1.22-25. Todavia, através da crucificação do Filho, elaborou Deus a mensagem mais fascinante que o mundo conhece. Para os que já foram regenerados, a cruz representa  o poder e a sabedoria de Deus. Como os recursos humanos e a sabedoria do homem têm sido impecílios no caminho da redenção, Deus tem feito uso das coisas que, para nós, não são importantes, justamente para desbancar nossos conceitos de valores, buscando reprogramar nossa mente, apresentando-nos uma nova escala de valores. Na verdade, quando nós amamos ao Senhor sobre todas as coisas, isso vem redirecionar o amor em nossa vida, e passamos a amar o que deve ser amado. Assim, Paulo chega ao seguinte confronto: a loucura de Deus é ainda mais sábia que a mais requintada sabedoria humana. E, por meio desse arrazoado, podemos perceber quão distantes estamos dos propósitos e caminhos do Senhor - Is. 55.8-9. Só mesmo o Espírito Santo, atuando em nosso coração, poderá abrir a nossa mente, descativar a nossa alma dos grilhões a que ficamos sujeitos, por causa do pecado. Que o Senhor tenha misericórdia de cada um de nós!
         

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

MENTE SÃ EM CORPO SÃO


Galopando pelos campos,
As rédeas firmes na mão,
Lá vai o Pedrinhos aos trancos,
Em seu petiço alazão.
Pois que estudou o ano inteiro,
Com toda paciência e tino,
Goza as férias prazenteiro,
Sem cuidados o menino.
O sol lhe caustica o rosto,
Mas não lhe importa o calor;
Afinal, mais vale um gosto
Do que ter a pele de flor.
De manhã vai ao rio,
Entrega-se a natação;
E toma depois, a fio,
Dois copos de leite são.
E come por todo dia
E de noite dorme bem;
Só tem a mente sadia,
Quem corpo sadio tem.
(Essa poesia fora feita na época
em que a natação era nos rios. E,
comer bem era saudável, sinal  de
saúde, sem o perigo da obesidade,
problema moderno, da vida seden-
tária. Mas, fora isso, ensine seu
filho decorar poesias. Estará
desenvolvendo nele a mesma
sensibilidade da música e da pintura.
Também na decoração há grande
benefício à vida dos nossos filhos.)

Palavra Daquele que Sabe Todas as Coisas:



"Os céus e a terra passarão, mas as minhas palavras jamais passarão". " Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai. Como foi nos dias de Noé, assim também será na vinda do Filho do homem. Pois nos dias anteriores ao Dilúvio, o povo vivia comendo e bebendo, casando-se e dando-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca; e eles nada perceberam, até que veio o Dilúvio e os levou a todos. Assim acontecerá na vinda do Filho do homem" - Mt. 24.35-39. " Portanto, vigiem, porque vocês não sabem nem o dia nem a hora"- Mt.25.13. "Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra as nações estarão em angústia e perplexidade com o bramido e agitação do mar. Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão abalados"- Lc. 21.25-26. "Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês"- Lc. 21.28.

sábado, 21 de novembro de 2009

LUZ DO CÉU




Somente o céu infinito e pontilhado,
De estrelas a velarem os pastores,
Poderia enviar-lhes esplendores
E deixá-los, num momento, iluminados!
Luz bendita, penetrante, a produzir
Clara nesga, numa noite ameaçadora.
Assim, Cristo em sua obra redentora
Era nato: -um novo pacto a ressurgir!
Fujam trevas e o vampiro com seu grito;
Pois, o canto de hosana do infinito
Veio à terra; eis, o hino angelical!...
E, em Belém uma criança meiga e pura,
                                                       De Inocente e fulgurante formosura,
                                                       Era a luz do céu ao mundo em seu NATAL.
                                                       (Maringá, dezembro de 2001)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

PENSANDO E POETANDO

"Cala-te, ou dize alguma coisa que valha mais que o silêncio"  (Pitágoras)
"Enfrenta a luta! Sê forte!
Foge de tudo que é triste!
Não pode temer a morte
Quem sabe que Deus existe" (Osório Dutra)
"Pobres de bolsos vazios:
não é a vós que lamento!
Lamento os pobres de espírito,
vazios de pensamentos...      (M.de Araujo Peres)
DÁ DE TI
"Dá de ti! Quanto poderes:
O talento,
A energia,
O coração.
Dá de ti para os homens e as mulheres,
Como as árvores e as fontes dão.
Não somente o sapato que não queres
E a capa que não usas no verão.
Darás sem refletir, sem ser notado,
De modo que ninguém diga obrigado,
Nem te deva dinheiro, ou gratidão.
E, com espanto, notarás um dia
Que viveste fazendo economia
De talento, energia e coração".

AUTORIDADE

Autoridade é força que da lei emana.
Se,obedecida, exalta a natureza humana
E o bem-estar promove ao homem e à nação.
No entanto, Adão, o pai, que deu início à raça,
Quebrou a lei, pecou e decaiu da graça,
E o mal se transmitiu a cada geração.
Respeito à lei, por isso, é uma virtude rara:
Transgride-a o pai, o filho, o servidor... é a tara
Do príncipe das trevas e os comandados seu.
Obedecer à lei, à ordem constituida,
É o testemunho sábio que distingue a vida
Dos que libertos vivem no temor de Deus!
Autoridade é força que altiva impera
Pelo poder do exemplo com que atua e gera
O bem comum, a paz, na senda do sucesso.
Mas quando a lei se vende e falha a autoridade,
Adeus justiça e honra, adeus à liberdade,
Ao poder constituído e à ordem que é progresso!
(Autor desconhecido)

RETORNO:

Estamos de volta, retomando nossa caminhada no BLOG, depois de alguns percalços com nosso computador.Perdoem-me os seguidores, pela descontinuidade dos últimos dias. Aliás, perdoem-me sempre os a quem tenho sido injusto, os com quem tenho sido ingrato, não correspondendo a sua expectativa, nessa nossa parceria. Desde já, um Feliz Natal para todos, nesta data em que há perfume no ar, por causa da grandiosidade do acontecimento histórico que celebramos. Deus seja louvado!

sábado, 14 de novembro de 2009

JUCA DE OLIVEIRA


1. A base de sustentação de "Happy Hour" são as críticas ao governo Lula?
Não só ao governo Lula. Critico o que escapa ao comportamento ético, presente até nos mamíferos irracionais. Falo sobre a inversão de valores, o absurdo da sociedade contemporânea, a locura do trânsito, a educação dos filhos, o sexo, a bebida, o preconsceito contra a mulher, mas tudo com o bom humor. O objetivo é um papo muito bem humorado que nos leve tanto a desopilar o fígado, como a refletir sobre tudo que nos afeta hoje.
2. Você se considera um anti-lulista?
Não, não sou anti ninguém. Sou a favor da ética e da integridade dos costumes políticos. Na minha peça "A flor do meu bem querer", que foi um enorme sucesso no Teatro de Cultura Artística, eu elogiava o Lula chamava a atenção para a sua ação renovadora, sua ética, seu exemplo incorruptível, e tecia severa crítica ao Fernando Henrique. Quando surgiu o mensalão, o assalto às estatais, a corrupção desenfreada, passei a criticar, claro.
3. Qual sua opinião sobre estes quase sete anos do governo Lula?
O governo Lula foi a maior decepção política que jamais atingiu a sociedade brasileira. Todos nós tínhamos nele a esperança, o advento de uma nova era onde imperasse a justiça, a lei, a imparcialidade, a transparência, a consolidação da democracia ainda abalada pelos efeitos da ditadura militar. Foi uma total reversão da expectativa. A pretexto de que crescemos em alguns índices da economia, deu-se um "liberou geral"para a falcatrua, o roubo, o compadrismo, no sentido de viabilizar a eternização do PT no poder. Assistimos estupefatos à ação truculenta do Executivo, que atropela e ignora os outros poderes e interfere até na autonomia da empresa privada, como na tentativa de cooptar a Vale. Temos um legislativo dócil, subserviente, um judiciário que condena ou absolve obedecendo a conveniência do Executivo. Tudo se faz ou se deixa de fazer em função dos interesses eleitoreiros do presidente. Ou seja, não vivemos como pensávamos num sistema presidencialista, onde deve imperar a harmonia entre os poderes. Vivemos numa monarquia absolutista.
(Juca de Oliveira, apresentando em Maringá a peça "Happy Hour", em entrevista ao jornal "O Diário do Norte do Paraná)